Avançar para o conteúdo principal

Para Ti, Meu Irmão Militar


Não interessa de que lado te encontras,


Chamam-te soldado, como soldadura (ferro fundido) do (co)mandante, mandatado pelo político, ambicioso, ganancioso e egoísta, verdadeiro mandante. Mas eu, meu irmão, chamo-te militar, que milita como nós em defesa da pátria. Sim, defesa da pátria que começa com o povo e a sua vontade. Povo que é feito por ti, por mim, pelas nossas famílias e comunidades. Então se te disseram que guerreando com o teu irmão estarás salvando a pátria, então mentiram-te. Pergunta a tua mulher, namorada, mãe, pai, avó em fim, todos a tua volta. Esses formam o início da tua pátria, junto aos meus, aos do nosso irmão, a quem lhe chamam de inimigo. Pergunta a eles se preferem te ver na Guerra, onde podes voltar vitorioso ou derrotado mutilado, isso se voltares.

A tua força e valentia podem trazer o bem ou o mal meu irmão. Tu és único e gozas de uma só vida, portanto tens de escolher entre uma e outra opção. As tuas mãos de arma contra nosso irmão podem ser a razão de derrame de sangue, aniquilação de vidas, da tristeza, luto e pobreza, devastação total da natureza. Mas as mesmas podem usar da natureza para trazer o bem estar, a saúde, a tranquilidade, os arranha-céus, jardins verdes e fragantes, comida e riqueza para ti, para os teus queridos, para todos nós. A defesa do interesse da nação que te prometeram não é, e nem pode ser feita na Guerra contra o nosso irmão, ambos instrumentalizados por aqueles que cobiçam riquezas inesgotáveis – como se fossem a viver por e para sempre, na busca do teu e nosso bem estar, o bem estar do povo.

Na Guerra tu só vais minar o crescimento, desenvolvimento, felicidade e a vida. Não haverá escolas para as crianças, hospitais para os doentes, comida para os necessitados, cuidados para os órfãos, inclusão para as mulheres e pessoas com deficiência. Não serás defensor dos interesses de ti mesmo, dos teus queridos e de todos nós, mas sim o aniquilador e retardador. Pergunta as mulheres, belas jovens raparigas em situação de Guerra. Não precisas de ir a história, veja as estatísticas e noticiários das jovens da Somália, do Congo, do Iraque, etc. Verdadeiras vítimas de abusos sexuais e exploração por pessoas como tu, que um dia, sob promessas de defesa dos interesses de pátrias e do bem estar das pessoas, se tornaram nos primeiros destruidores, opressores oprimidos. Sim, não és diferente deles, como eu, tens necessidades dentro e fora da Guerra e quando não tens mais, porque privado pela Guerra que tu abraças, instrumentalizado pelos gananciosos e teu engano, irás cair nessa – matarás, açambarcarás a pouca comida dos pobres e abusarás das mulheres.

Não seja soldado, obediente a ordens vis, pau mandado daquele que se chama teu dirigente. Que se atribui o interesse no bem estar da pátria, da tua família e do teu bem estar. O bem estar da pátria é definido pelo seu povo e, o povo que começa contigo, comigo e com as nossas famílias. A Guerra só te vai destruir meu irmão, não te deixes enganar. Pense muito bem se vale a pena abraçá-la. Os teu mandantes, e mandantes dos teus (co)mandantes sabem muito bem disso. Se fosse bom entrar na Guerra, a caso não seriam eles os primeiros a colocar os filhos de arma em punho? Mas não, os filhos deles estão nas melhores escolas, no país e pelo mundo fora, melhores posições nos empregos, melhores carros, em fim, gozando da melhor vida. E a ti meu pobre irmão, só dão o fardamento, a arma e munições para combateres o outro como tu. Talvez não saibas, mas o fardamento, a arma e munições, objectos de aniquilação, que te entregam, poderiam comprar para ti e toda a tua família toda aquela luxúria dada aos filhos deles. E quanto mais lutares meu irmão valente, mais fardamento, mais armas e munições receberás até que fiques inválido ou partas para a outra.

Fizeram-te promessas que sabes, ou pelo menos já suspeitas que não serão cumpridas. A tua família não será indemnizada pela tua morte. Não há indemnização que valha a tua vida, que te possa substituir no seio da tua família. A tua família (que te amou e te ama pois tudo fizera e continua fazendo para o teu viver e bem estar) preferia ter a ti, com ou sem algo para dar ou fazer. Tu tens valor individualmente e independentemente do que trazes ou fazes. Se não acreditas pergunte-lhes e, se não tens coragem de fazer-lo, ao menos reflicta sobre o porque de te terem mantido até chegares onde estás hoje. Não serás compensado pelo fim da Guerra meu irmão, serás antigo combatente, como o são nossos pais hoje, aqueles que saíram em vida da guerra. Pergunta a eles, que com valentia de garras defenderam a pátria. Pergunta-lhes se terá caido alguma indemnização na panela em suas casas. Precisarias mesmo perguntar? Acaso, não acompanhaste de como foram e continuam sendo tratados pelos seus dirigentes e novos soldados? Tu não és e nem serás diferente.

Eles te usam como um instrumento para perseguirem o que lhes interessa, não duvides. Interesses esses que escondem por camufladas na doce palavra pátria. E, a ti,chamam de soldado valente, combatente, corajoso para mais instrumento te tornares. Não nego a tua valentia, coragem e força, mas quando instrumentalizado só servem para tua auto-destruição, aniquilação dos teus sonhos e dos do teu povo. Logo de valentia partes para a cobardia. Teu povo, este que já está desgastado de tanta pobreza quando tem recursos abundantes para desenvolver debaixo de suas terras. Estes mesmos recursos que estão, hoje, a construir a riqueza dos teus dirigentes que provocam conflitos entre eles. Mas conflitos de palavreados e trocas de cheques com grandes números, mas que se estendem ao uso de ti e do nosso irmão como instrumentos de demonstração de forças para ver quem fica com o maior ou todo o pedaço.

Já alguma vez na história foste instrumento da liberdade da política. Obrigavas os homens (escravos) a trabalharem para alimentarem os políticos (cidadãos) e defendias a todos da invasão externa. Depois, mais tarde te tornaste em pessoa, importante actor, protector da vida e da liberdade política. Passas a ser o executor das punições aos injustos, enquanto estás atento aos invasores externos para proteger os teus. Pensas por ti e pelas pessoas. De uns tempos para cá, voltaste a ser um instrumento da política, mas desta vez, para aniquilar a liberdade e a vida. Eis-te aqui, pronto para cumprir ordens e mais nada. Não te é dado tempo para usares das tuas faculdades intelectuais e decidires no que te vale a pena. Não interessam os danos que as tuas acções irão trazer aos teus e a ti mesmo. A tua cabeça só tem olhos, para ver o caminho que te indicam, e ouvidos, para ouvir ordens dos teus mandantes. O teu cérebro tem apenas funções mecânicas, serve para dinamizar apenas os dois sentidos.

Guarda já a tua arma e, espera o momento próprio, meu irmão. Guarda para quando a verdadeira pátria precisar de ti para defendê-la da invasão dos teus inimigos verdadeiros, inimigos da tua família, inimigo do teu povo. Diga já, BASTA e volta para casa, junto da tua família, a comunidade e amigos e seja para eles motivo de bem estar, segurança, paz, tranquilidade, sorriso, e felicidade. Diga já, BASTA às ordens dos gananciosos, ambiciosos, egoístas, verdadeiros inimigos, inimigos da tua família, do teu povo e da tua verdadeira pátria. Eles, na verdade não têm nada para te oferecer, mas a pátria sim. A pátria, que inclui a ti, a tua família, o povo, a terra e tudo que ela alberga, tem tudo em abundância para te oferecer e, até para oferecer justamente aos teus verdadeiros inimigos. A pátria, meu irmão militante, é tua, é minha, é do nosso irmão. A pátria é nossa, incluindo a eles, os nossos inimigos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Revisão da Constituição da República de Moçambique: Uma ameaça, mas Uma Oportunidade

• Nota Introdutória
O partido no poder (FRELIMO) desde a independência do país propós e aprovou a ideia de entrar pelo processo de rever a Lei Mãe das leis e regras moçambicanas. A medida gerou e continua a gerar muita controvérsia baseada em rumores na praça pública. Os argumentos que dominam o debate controverso são maioritariamente ligados a política (em tanto que exercício do poder). A nossa questão é se esse seria o rumo que realmente interessaria aos (mais de 20 milhões de) moçambicanos? Daí advém a outra questão: se seria esta proposta (já aprovada e quase sem volta) uma ameaça ou oportunidade. Como membros da sociedade civil, deste país e interessados (por estudo) nesta matéria, trazemos neste artigo o nosso ponto vista, sustentado pela visita breve a história constitucional do país.


• Afinal o que é e para qué uma constituição?

Constituição é o conjunto de leis, normas e regras que, escritas como não, determinam a natureza organizacional de um estado (Sartori 1994:198). A Con…

A Corrupção em Moçambique: Uma epidemia capaz de dizimar toda uma nação, se não geração

Parece se tornar cada vez mais evidente que o desenvolvimento de Moçambique está a ser assombrado por uma corrupção generalizada e persistente. Podendo ser entedida como um sintoma de desequilíbrios estruturais, a corrupção constitui uma ameaça real, que mina o futuro progresso, o combate á pobreza e o desenvolvimento da ‘Terra Gloriosa… (ou) Pátria Amada’ como lhe apelida o seu hino nacional. Numa tentativa de nos oferecer uma definição mais simples, mas de certo modo abrangente, P. Dininio (2002) a percebe como sendo “abuso de ofício confiadopara (obter) ganhos privados. Em outras palavras, esta definição sugere-nos um senário em que “alguém utiliza a suaposição para se apropriar de benefícios que podem ser em forma de dinheiro ou não… (sendo que este) benefício apropriado fará falta em algum lugar e isso (o apropriar) contribuirá para o empobrecimento de pessoas dependentes destes recursos (apropriados)” (CALDAS & PEREIRA, 2007:18). Não é novidade que, no dia a dia, tod@s mulher…

João Vembane - YALI MOZ

U.S. Embassy Maputo25 de junho às 12:00 ·  Parabéns João! João Vembane tem cerca 20 anos de experiência de trabalho no sector de Cooperação para o Desenvolvimento em África, conceptualizando, implementando, gerindo e coordenando programas diversos em ONGs nacionais e internacionais. O nosso bolseiro Mandela Washington 2016 para a Iniciativa Jovens Líderes Africanos é um jovem Moçambicano que se a especializa em Ciências Políticas. No seu percurso, desenvolveu significativo entendimento dos desafios da inclusão social de mulheres e homens de grupos vulneráveis tais como: pessoas com deficiências, pessoas vivendo com o HIV/SIDA, Crianças Mulheres e Vulneráveis, etc. Tendo trabalhado em temáticas diversas, tais como saúde, educação, mineração, governação, sociedade civil e economia rural, também tem participado em vários projectos de pesquisa social relacionados com programas de desenvolvimento, análise de políticas e quadro legislativo. Vembane orienta workshops com múltiplos actores; d…